quinta-feira, 1 de outubro de 2020

YOUTUBE MUSICAL XXXI

No Dia Mundial da Música e no início do outono quando as noites ficam mais frescas, nada melhor que ouver “histórias” das Mil e Uma Noites. A suite sinfónica composta por Nikolai Rimsky-Korsakov em 1888 evoca os serões em que a princesa Xerazade vai contando histórias para escapar à morte.
Uma obra evocativa, sensual, colorida, composta pelo professor que influenciaria profundamente duas gerações de compositores russos.
A interpretação do excêntrico Leif Segerstam e da Sinfónica de Galicia é excelente e reserva-nos uma pequena surpresa aos 45 minutos.

Vamos então ver e ouvir (com equipamento de áudio decente s.f.f.) a suite sinfónica Xerazade Op. 35 de Nikolai Rimsky-Korsakov.
Clique na imagem abaixo para assistir ao vídeo sem publicidade nem irritantes pop-ups de “Inicie sessão no YouTube”. Se quiser ver no sítio do YouTube clique aqui.

quarta-feira, 9 de setembro de 2020

"ABAIXO DE CÃO" HÁ 17 ANOS NA INTERNET

Este blogue é como uma erva daninha a quem o seu autor corta o caule e as folhas, mas que teima em renascer. De quando em vez lá vai produzindo uma flor vistosa...

Desde 9 de setembro de 2003 já se aqui assistiu a uma bancarrota e a uma pandemia, passaram por Belém 3 Presidentes da República, estiveram no Palacete de São Bento 5 primeiros-ministros e foram empossados 8 governos. A tudo isto o Abaixo de Cão resistiu, resta saber se se vai aguentar nos pavorosos tempos que se avizinham...

segunda-feira, 31 de agosto de 2020

inCITAÇÕES - VOLTANDO ÀS PALAVRAS DE MARK TWAIN SOBRE OS BANQUEIROS

 

Quando se fala em crise, desemprego e milhares de milhões para bancos "bons", nada como republicar o "cartaz" com as palavras de Mark Twain

 

P.S. Cópias deste cartaz foram coladas em várias sedes de bancos, nomeadamente na do BES, ainda o Sr. Salgado era dono disto tudo. Estávamos em 2012, época em que não existiam os indignados do Facebook.

sexta-feira, 31 de julho de 2020

COLORGRAPHIA CXXXI - FUTEBOL

 

Quando Portugal se prepara para receber a Liga dos Campeões nada melhor que uma obra sobre Futebol. Dinamismo de um Jogador de Futebol, pintura futurista de Umberto Boccioni (1882–1916) concluída em 1913. Sobre este quadro encontram uma curta descrição na Wikipédia em inglês.

terça-feira, 30 de junho de 2020

COLORGRAPHIA CXXX - AS CORES DE VERÃO DE GUSTAVE CAILLEBOTE



Gustave Caillebotte (1848–1894): "La plaine de Gennevilliers, champs jaunes" (A planície de Gennevilliers, campos amarelos), óleo sobre tela pintado em 1884. Exposto na National Gallery of Victoria, Austrália.

domingo, 31 de maio de 2020

COLORGRAPHIA CXXIX - VAN GOGH

Clique na imagem para ver a ampliação
Um Campo de Trigo com Ciprestes. Óleo sobre tela de 1889, 73 x 92 cm; National Gallery, Londres.


Uma obra de Vincent van Gogh (1853–1890) para recordar a exposição que decorre em Lisboa até ao fim do ano.

quinta-feira, 30 de abril de 2020

PHOTOGRAPHIA LV

Louis Pasteur (1822–1895), fotografia de Paul Nadar (1856–1939) tirada antes de 1895.

Louis Pasteur, um dos pioneiros da vacinação, é aqui fotografado por Paul Nadar: o inovador fotógrafo filho do célebre Félix Nadar.

Ligações:

sábado, 28 de março de 2020

COLORGRAPHIA CXXVIII - TEMPOS DIFÍCEIS


Edvard Munch (1863–1944) "Autorretrato com a Gripe Espanhola", 1919. Galeria Nacional da Noruega, Oslo.

Edvard Munch autorretratado numa pintura de 1919, o segundo ano em que a Gripe Espanhola fazia milhões de vítimas. Conseguiu o artista sobreviver à terrível pandemia, ao contrário de outros grandes nomes da Pintura como Amadeo de Souza Cardozo.

Evocação do passado nestes tempos difíceis, porque a História nos pode sempre ensinar com os erros de outrora.


Ligações:

sábado, 29 de fevereiro de 2020

COLORGRAPHIA CXXVII


Willem Heda, Mesa de pequeno-almoço com tarte de amoras (1631)

Uma natureza-morta do mestre holandês  Willem Claeszoon Heda  (c. 1593 – c. 1682).

Ligações:
 

sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

COLORGRAPHIA CXXVI - JANEIRO


Irmãos Limbourg; Janeiro: ilustração do livro de horas "Les très riches heures du Duc de Berry" produzida entre 1412 e 1416.

Sucinta explicação da imagem em inglês na Web Gallery of Art.

segunda-feira, 30 de dezembro de 2019

Ora Eça II

"O riso é a mais útil forma da crítica, porque é a mais acessível à multidão. O riso dirige-se não ao letrado e ao filósofo, mas à massa, ao imenso público anónimo. É por isso que hoje é tão útil como irreverente rir das ideias do passado: a multidão não se ocupa de ideias, ocupa-se das fórmulas visíveis, convencionais das ideias. Por exemplo: o povo em Portugal, nas províncias, não é católico - é padrista: que sabe ele da moral do cristianismo? da teologia? do ultramontanismo? Sabe do santo de barro que tem em casa, e do cura que está na igreja."
- in Carta a Joaquim de Araújo, 25 de Fevereiro de 1878

"É o grande dever do jornalismo fazer conhecer o estado das coisas públicas, ensinar ao povo os seus direitos e as garantias da sua segurança, estar atento às atitudes que toma a política estrangeira, protestar com justa violência contra os atos culposos, frouxos, nocivos, velar pelo poder interior da pátria, pela grandeza moral, intelectual e material em presença de outras nações, pelo progresso que fazem os espíritos, pela conservação da justiça, pelo respeito do direito, da família, do trabalho, pelo melhoramento das classes infelizes."
- in "O Distrito de Évora", 6 de Janeiro de 1867 (nº1)

“É extraordinário! Neste abençoado país todos os políticos têm «imenso talento». A oposição confessa sempre que os ministros, que ela cobre de injúrias, tem, à parte os disparates que fazem, um «talento de primeira ordem»! Por outro lado a maioria admite que a oposição, a quem ela constantemente recrimina pelos disparates que fez, está cheia de «robustíssimos talentos»! De resto todo o mundo concorda que o país é uma choldra. E resulta portanto este facto supracómico: um país governado «com imenso talento», que é de todos na Europa, segundo o consenso unânime, o mais estupidamente governado! Eu proponho isto, a ver: que, como os talentos sempre falham, se experimentem uma vez os imbecis!”
- in Os Maias

“Ega, em suma, concordava. Do que ele principalmente se convencera, nesses estreitos anos de vida, era da inutilidade de todo o esforço. Não valia a pena dar um passo para alcançar coisa alguma na Terra – porque tudo se resolve, como já ensinara o sábio do Eclesiastes, em desilusão e poeira.

-Se me dissessem que ali em baixo estava uma fortuna como a dos Rothschilds ou a coroa imperial de Carlos V, à minha espera, para serem minhas se eu para lá corresse, eu não apressava o passo…Não! Não saía deste passinho lento, prudente, correto, que é o único que se deve ter na vida.

-Nem eu! – Acudiu Carlos com uma convicção decisiva.

E ambos retardaram o passo, descendo para a Rampa de Santos, como se aquele fosse em verdade o caminho da vida, onde eles, certos de só encontrarem ao fim desilusão e poeira, não devessem jamais avançar senão com lentidão e desdém. Já avistavam o Aterro, a sua longa fila de luzes. De repente, Carlos teve um largo gesto de contrariedade:

-Que ferro! E eu que vinha desde Paris com este apetite! Esqueci-me de mandar fazer hoje, para o jantar, um grande pato de paio com ervilhas.

E agora já era tarde, lembrou Ega. Então, Carlos, até aí esquecido em memórias do passado e sínteses da existência, pareceu ter inesperadamente consciência da noite que caíra, dos candeeiros acesos. A um bico de gás tirou o relógio. Eram seis e um quarto!

-Oh diabo!… E eu que disse ao Vilaça e aos rapazes para estarem no Bragança, pontualmente, às seis! Não aparecer por aí uma tipóia!…

-Espera! – Exclamou Ega – Lá vem um americano, ainda o apanhamos.

-Ainda o apanhamos!

Os dois amigos lançaram o passo, largamente. E Carlos, que arrojara o charuto, ia dizendo na aragem fina e fria que lhes cortava a face:

-Que raiva ter esquecido o paiozinho! Enfim, acabou-se. Ao menos assentámos a teoria definitiva da existência. Com efeito, não vale a pena fazer um esforço, correr com ânsia para coisa alguma. Ega, ao lado, ajuntava, ofegante, atirando as pernas magras:

-Nem para o amor, nem para a glória, nem para o dinheiro, nem para o poder…

A lanterna vermelha do americano, ao longe, no escuro, parara. E foi em Carlos e em João da Ega uma esperança, outro esforço:

-Ainda o apanhamos!

-Ainda o apanhamos!

De novo a lanterna deslizou e fugiu. Então, para o apanhar o americano, os dois amigos romperam a correr desesperadamente pela Rampa de Santos e pelo Aterro, sob a primeira claridade do luar que subia.”
- in Os Maias

Excertos de obras de José Maria Eça de Queiroz, palavras escritas no Séc. XIX, mas sempre atuais.

Ligações:

Livros: 

sábado, 30 de novembro de 2019

DESASSOSSEGO

Para agir é, pois, preciso que nos não figuremos com facilidade as personalidades alheias, as suas dores e alegrias. Quem simpatiza pára. O homem de ação considera o mundo externo como composto exclusivamente de matéria inerte - ou inerte em si mesma, como uma pedra sobre que passa ou que afasta do caminho; ou inerte como um ente humano que, porque não lhe pôde resistir, tanto faz que fosse homem como pedra, pois, como à pedra, ou se afastou ou se passou por cima.

O exemplo máximo do homem prático, porque reúne a extrema concentração da ação com a sua extrema importância, é a do estratégico. Toda a vida é guerra, e a batalha é, pois, a síntese da vida. Ora o estratégico é um homem que joga com vidas como o jogador de xadrez com peças do jogo. Que seria do estratégico se pensasse que cada lance do seu jogo põe noite em mil lares e mágoa em três mil corações? Que seria do mundo se fôssemos humanos? Se o homem sentisse deveras, não haveria civilização. A arte serve de fuga para a sensibilidade que a ação teve que esquecer. A arte é a Gata Borralheira, que ficou em casa porque teve que ser.

Todo o homem de ação é essencialmente animado e otimista porque quem não sente é feliz. Conhece-se um homem de ação por nunca estar mal disposto. Quem trabalha embora esteja mal disposto é um subsidiário da ação; pode ser na vida, na grande generalidade da vida, um guarda-livros, como eu sou na particularidade dela. O que não pode ser é um regente de coisas ou de homens. À regência pertence a insensibilidade. Governa quem é alegre porque para ser triste é preciso sentir.

O patrão Vasques fez hoje um negócio em que arruinou um indivíduo doente e a família. Enquanto fez o negócio esqueceu por completo que esse indivíduo existia, exceto como parte contrária comercial. Feito o negócio, veio-lhe a sensibilidade. Só depois, é claro, pois, se viesse antes, o negócio nunca se faria. "Tenho pena do tipo", disse-me ele. "Vai ficar na miséria." Depois, acendendo o charuto, acrescentou: "Em todo o caso, se ele precisar qualquer coisa de mim" - entendendo-se qualquer esmola - "eu não esqueço que lhe devo um bom negócio e umas dezenas de contos."

O patrão Vasques não é um bandido: é um homem de ação. O que perdeu o lance neste jogo pode, de facto, pois o patrão Vasques é um homem generoso, contar com a esmola dele no futuro.

Como o patrão Vasques são todos os homens de ação - chefes industriais e comerciais, políticos, homens de guerra, idealistas religiosos e sociais, grandes poetas e grandes artistas, mulheres formosas, crianças que fazem o que querem. Manda quem não sente. Vence quem pensa só o que precisa para vencer. O resto, que é a vaga humanidade geral, amorfa, sensível, imaginativa e frágil, e não mais que o pano de fundo contra o qual se destacam estas figuras da cena até que a peça de fantoches acabe, o fundo-chato de quadrados sobre o qual se erguem as peças de xadrez até que as guarde o Grande Jogador que, iludindo a reportagem com uma dupla personalidade, joga, entretendo-se sempre contra si mesmo.

Excerto do Livro do Desassossego de Bernardo Soares.
Clique em "Mensagens antigas" para ler mais artigos fantásticos do Arquivo.

Temas

(so)risos (4) 100nada (1) 25 de Abril (5) 4º aniversário (1) 90's (2) actualidade (1) Ambiente (2) Aniversários (15) Ano Novo (6) Arquitectura (1) Arte (2) Astronomia (6) avacalhando (1) Blogosfera (78) boicote AdC (1) borlas (2) burla (1) cantarolando (1) cidadania (4) Ciência (6) Cinema (7) Cinema de Animação (2) classe (1) coisas (1) coisas da vida (5) Como disse? (1) Computadores e Internet (28) Contra a censura (1) contrariado mas voltei (1) corrosões (1) cultura (1) curiosidades (1) dass (1) de férias; mas mesmo assim não se livram de mim (2) Década Nova (1) Democracia (5) depois fica tudo escandalizado com as notas dos exames de português (1) Desporto (3) Dia do Trabalhador (1) Direito ao trabalho (1) ditadores de Esquerda ou de Direita não deixam de ser ditadores (1) é que eu amanhã tenho de ir trabalhar (1) eco (1) Economia (5) efemérides (3) eles andam aí (1) Elis (2) Em bom português se entendem 8 nações (2) em homenagem ao 25 de Abril (1) Em Pequim o Espírito Olímpico morreu (1) escárnio e maldizer (1) Escultura (3) espanta tédio (1) estado do mundo (1) Fado (1) Fernando Pessoa (1) festividades (3) Festividades de Dezembro (2) Filosofia (3) Fotografia (29) fotojornalismo (1) fuck 24 (1) fundamentalismos (1) futebol (1) Futuro hoje (1) ganância (3) gastronomia (1) Geografia (1) Grande Música (39) grátis (1) História (6) inCitações (15) injustiça (1) Internet (4) internet móvel (1) Internet: sítios de excelência (1) intervenção pública (3) inutilidades (7) Jazz (2) jornalismo (1) ladrões (1) Liberdade (7) liberdade de expressão (2) língua portuguesa (4) Lisboa (3) listas (1) Literatura (10) Livro do Desassossego (1) Má-língua (1) mentiras da treta (1) miséria (1) MPB (5) Mundo Cão (5) música afro-urbana (1) Músicas (13) não te cales (2) Navegador Opera (2) ninguém me passa cartão... (1) Noite (1) o lado negro (1) o nosso futuro (1) oportunismo (1) os fins nunca justificam os meios (1) paranoia (1) parvoíces (1) pessoal (8) Pintura (141) podem citar-me (3) Poesia (30) política (10) política internacional (2) porque são mesmo o melhor do mundo (2) Portugal (3) Portugal de Abril (4) preciosa privacidade (6) preguiça (1) Programas de navegação (1) quase nove séculos de crise (3) quotidiano (2) resistir (2) resmunguices (7) respeite sempre os direitos de autor (1) Seleção AdC - Internet (1) Selecção AdC - Internet (2) serviço público AdC (1) Sexo (1) so(r)risos (5) Solidariedade (3) Taxa Socas dos Bosques (1) Teatro (1) Tecnologia (1) televisão (1) temos de nos revoltar (1) Terceiro Mundo (20) The Fab Four (1) trauteando (1) Um aperto no coração (1) umbigo (8) UNICEF (1) vai tudo abaixo (2) vaidades (7) vampiros (1) Verdadeiramente Grandes Portugueses (4) vidas (1) vou ali e já venho (1) YouTube (3)