sábado, 30 de novembro de 2019

DESASSOSSEGO

Para agir é, pois, preciso que nos não figuremos com facilidade as personalidades alheias, as suas dores e alegrias. Quem simpatiza pára. O homem de ação considera o mundo externo como composto exclusivamente de matéria inerte - ou inerte em si mesma, como uma pedra sobre que passa ou que afasta do caminho; ou inerte como um ente humano que, porque não lhe pôde resistir, tanto faz que fosse homem como pedra, pois, como à pedra, ou se afastou ou se passou por cima.

O exemplo máximo do homem prático, porque reúne a extrema concentração da ação com a sua extrema importância, é a do estratégico. Toda a vida é guerra, e a batalha é, pois, a síntese da vida. Ora o estratégico é um homem que joga com vidas como o jogador de xadrez com peças do jogo. Que seria do estratégico se pensasse que cada lance do seu jogo põe noite em mil lares e mágoa em três mil corações? Que seria do mundo se fôssemos humanos? Se o homem sentisse deveras, não haveria civilização. A arte serve de fuga para a sensibilidade que a ação teve que esquecer. A arte é a Gata Borralheira, que ficou em casa porque teve que ser.

Todo o homem de ação é essencialmente animado e otimista porque quem não sente é feliz. Conhece-se um homem de ação por nunca estar mal disposto. Quem trabalha embora esteja mal disposto é um subsidiário da ação; pode ser na vida, na grande generalidade da vida, um guarda-livros, como eu sou na particularidade dela. O que não pode ser é um regente de coisas ou de homens. À regência pertence a insensibilidade. Governa quem é alegre porque para ser triste é preciso sentir.

O patrão Vasques fez hoje um negócio em que arruinou um indivíduo doente e a família. Enquanto fez o negócio esqueceu por completo que esse indivíduo existia, exceto como parte contrária comercial. Feito o negócio, veio-lhe a sensibilidade. Só depois, é claro, pois, se viesse antes, o negócio nunca se faria. "Tenho pena do tipo", disse-me ele. "Vai ficar na miséria." Depois, acendendo o charuto, acrescentou: "Em todo o caso, se ele precisar qualquer coisa de mim" - entendendo-se qualquer esmola - "eu não esqueço que lhe devo um bom negócio e umas dezenas de contos."

O patrão Vasques não é um bandido: é um homem de ação. O que perdeu o lance neste jogo pode, de facto, pois o patrão Vasques é um homem generoso, contar com a esmola dele no futuro.

Como o patrão Vasques são todos os homens de ação - chefes industriais e comerciais, políticos, homens de guerra, idealistas religiosos e sociais, grandes poetas e grandes artistas, mulheres formosas, crianças que fazem o que querem. Manda quem não sente. Vence quem pensa só o que precisa para vencer. O resto, que é a vaga humanidade geral, amorfa, sensível, imaginativa e frágil, e não mais que o pano de fundo contra o qual se destacam estas figuras da cena até que a peça de fantoches acabe, o fundo-chato de quadrados sobre o qual se erguem as peças de xadrez até que as guarde o Grande Jogador que, iludindo a reportagem com uma dupla personalidade, joga, entretendo-se sempre contra si mesmo.

Excerto do Livro do Desassossego de Bernardo Soares.

quinta-feira, 31 de outubro de 2019

COLORGRAPHIA CXXV - TURNER, O PINTOR DA LUZ


William Turner, The Burning of the Houses of Lords and Commons, 16th October, 1834. Óleo sobre tela, (pintado em 1834 ou 1835)  92 cm x 123.1 cm. Museu de Arte de Filadélfia.


William Turner, The Burning of the Houses of Lords and Commons, 16th October, 1834 - segunda pintura. Óleo sobre tela (pintado em 1834 ou 35),  92 cm x 123.1 cm. Museu de Arte de Cleveland.

Duas obras de William Turner (1775 – 1851) ilustrando o incêndio do parlamento britânico ocorrido em 1834. Um pintor que teve sempre um fascínio pelos fenómenos naturais, como a luz do sol, as tempestades, o fogo ou o nevoeiro.

O seu legado influenciou decisivamente a geração impressionista, em particular Claude Monet.

Ligações:

Livro:
  • Bockemühl, Michael (2019) Turner. Colónia: Taschen. ISBN 9783836504546

segunda-feira, 23 de setembro de 2019

COLORGRAPHIA CXXIV - AS CORES DO OUTONO E UM ANIVERSÁRIO ESQUECIDO...


Claude Monet: Efeito outonal em Argenteuil (1873), óleo sobre tela, 55 × 74.5 cm. Courtauld Institute of Art, Londres. Clique na imagem para ver a ampliação e sentir a textura desta obra.

O regresso de Monet a este blogue para assinalar o equinócio de outono. Entretanto comemorou-se a 9 deste mês o 16.º aniversário do "Abaixo de Cão"...

sábado, 31 de agosto de 2019

COLORGRAPHIA CXXIII


Claude Monet (1840 – 1926), Le Parlement de Londres. Ciel d'orage (O Parlamento de Londres. Céu de Tempestade) 1904. Óleo sobre tela, 81.5 × 92 cm. Palais des Beaux-Arts, Lille, França.

O regresso de Monet com um quadro pertencente a uma série de 19 obras pintadas entre 1900 e 1905. Os primeiros quadros foram pintados em Londres, mas o artista prosseguirá o tema recorrendo a fotografias do local, facto que na época causou polémica.

Uma pintura retratando o Parlamento britânico, instituição que o atual primeiro-ministro quer transformar em peça decorativa...

Ligações:
Livros:

segunda-feira, 15 de julho de 2019

O VERÃO E AS CORES DE CLAUDE MONET - COLORGRAPHIA CXXII


Claude Monet, Paisagem Perto de Monte Carlo (1883), óleo sobre tela, 65.6 x 82 cm. Coleção particular.

No verão nada melhor que as cores de Claude Monet. Quem estiver interessado pode despender entre 5 e 7 milhões de dólares, se o dono quiser vender...
 
Ligações:
Livros:

domingo, 30 de junho de 2019

CORES DE VERÃO - COLORGRAPHIA CXXI


Van Gogh (1853–1890) Campo de Trigo ao Pôr do Sol. Óleo sobre tela, 73,5 x 92 cm. Museu de Arte de Winterthur, Suíça.

Neste verão uma paisagem de Vincent van Gogh pintada em junho de 1888 na cidade francesa de Arles. Já naquela época o negro do fumo das fábricas fazia parte das cores do verão...

Ligações:
Livros: 

    sexta-feira, 31 de maio de 2019

    PIONEIROS DA FOTOGRAFIA EM PORTUGAL - PHOTOGRAPHIA LIV



    Wenceslau Cifka abriu em Lisboa um dos primeiros estúdios fotográficos, cerca de 1855 tirou esta fotografia ao Arco da Rua Augusta que só seria concluído em 1873.

    Referências:

    segunda-feira, 15 de abril de 2019

    NOTRE-DAME DE ATGET - PHOTOGRAPHIA LIII


    Eugène Atget, Notre-Dame depuis le quai de la Tournelle, 1923. Negativo de vidro, impressão em papel albuminado, 17.6 × 22.1 cm.

    No dia do terrível incêndio uma imagem antiga da Notre-Dame de Paris. A admirável catedral vista pelo génio (autodidata) da Fotografia, Eugène Atget.

    domingo, 7 de abril de 2019

    CHARLES MARVILLE - PHOTOGRAPHIA LII


    Charles Marville, Bois de Boulogne, Paris. Negativo produzido entre 1855 e 1870, impressão em papel albuminado feita depois de 1870. Dimensões: 21 × 36.4 cm. Retoques feitos pelo autor deste blogue.

    Charles Marville (1813–1879) foi nomeado em 1862 fotógrafo oficial da cidade de Paris, começou então a documentar a radical modernização efetuada  pelo Barão Haussmann na capital francesa.

    A fotografia hoje publicada retrata um dos lagos do Bois de Boulogne, o segundo maior parque público parisiense.

    Ligações:
    Livros: 

      domingo, 31 de março de 2019

      CARLETON WATKINS, UM PIONEIRO CAPTANDO O ESPÍRITO DA AMÉRICA - PHOTOGRAPHIA LI

      Clique na imagem para ver a ampliação
      1867 Cape Horn, Columbia River, Oregon de Carleton Watkins (1829/1916).

      O regresso da Fotografia ao "Abaixo de Cão".

      quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

      NEVOEIRO DOS SONHOS - COLORGRAPHIA CXX

      A pintura chinesa constitui a mais antiga tradição artística ininterrupta. Ainda faltavam 2 séculos para Portugal nascer e já no Império do Meio se produzia arte com elevado grau de sofisticação e beleza.

      A obra aqui reproduzida pertence a Li Cheng que se destacou pelas pinturas plenas de "nevoeiro dos sonhos".


      Li Cheng (c. 919 - c. 967 AD). "Um Templo Solitário Entre os Picos das Montanhas" (c. 960). Rolo suspenso, tinta sobre seda, 111.4 x 56 cm (altura x largura). Clique na imagem para ver a ampliação com todos os pormenores.

      Ligações:

      Livros:
      • Sullivan, Michael (1984) The Arts of China, California: University of California Press pp. 165 a 207. [Este livro pode ser descarregado em vários formatos] ISBN 978-0520049185

      quinta-feira, 31 de janeiro de 2019

      REABERTURA - ABAIXO DE CÃO II

      Nasceu o Abaixo de Cão em setembro de 2003, naquela longínqua época não havia Facebook, Whatsapp, Instagram ou sistema Android. Por outro lado, as grandes multinacionais estavam quase ausentes do espaço público na Internet. Mesmo com muito “armar ao pingarelho” tudo era mais genuíno, mais orgânico, mais democrático.
      Ao longo de 13 anos este espaço foi um reflexo parcial dos defeitos, contradições e (algumas) qualidades do seu autor. Todavia o cansaço e a falta de interesse dos seus leitores ditaram o seu encerramento.

      Apesar de tudo nunca se desvaneceu a vontade de escrever sobre aquele filme perturbante, aquela pintura esquecida ou aquele útil programa de computador. Assim sendo reabre-se hoje o Abaixo de Cão, esperando que a manifesta falta de jeito para a escrita não dite, a curto prazo, a sua morte definitiva.
      Clique em "Mensagens antigas" para ler mais artigos fantásticos do Arquivo.

      Temas

      (so)risos (4) 100nada (1) 25 de Abril (5) 4º aniversário (1) 90's (2) actualidade (1) Ambiente (2) Aniversários (14) Ano Novo (6) Arquitectura (1) Arte (2) Astronomia (6) avacalhando (1) Blogosfera (78) boicote AdC (1) borlas (2) burla (1) cantarolando (1) cidadania (4) Ciência (6) Cinema (7) Cinema de Animação (2) classe (1) coisas (1) coisas da vida (5) Como disse? (1) Computadores e Internet (28) Contra a censura (1) contrariado mas voltei (1) corrosões (1) cultura (1) curiosidades (1) dass (1) de férias; mas mesmo assim não se livram de mim (2) Década Nova (1) Democracia (5) depois fica tudo escandalizado com as notas dos exames de português (1) Desporto (3) Dia do Trabalhador (1) Direito ao trabalho (1) ditadores de Esquerda ou de Direita não deixam de ser ditadores (1) é que eu amanhã tenho de ir trabalhar (1) eco (1) Economia (5) efemérides (3) eles andam aí (1) Elis (2) Em bom português se entendem 8 nações (2) em homenagem ao 25 de Abril (1) Em Pequim o Espírito Olímpico morreu (1) escárnio e maldizer (1) Escultura (3) espanta tédio (1) estado do mundo (1) Fado (1) Fernando Pessoa (1) festividades (3) Festividades de Dezembro (2) Filosofia (3) Fotografia (28) fotojornalismo (1) fuck 24 (1) fundamentalismos (1) futebol (1) Futuro hoje (1) ganância (3) gastronomia (1) Geografia (1) Grande Música (38) grátis (1) História (6) inCitações (13) injustiça (1) Internet (4) internet móvel (1) Internet: sítios de excelência (1) intervenção pública (3) inutilidades (7) Jazz (2) jornalismo (1) ladrões (1) Liberdade (7) liberdade de expressão (2) língua portuguesa (4) Lisboa (3) listas (1) Literatura (9) Livro do Desassossego (1) Má-língua (1) mentiras da treta (1) miséria (1) MPB (5) Mundo Cão (5) música afro-urbana (1) Músicas (13) não te cales (2) Navegador Opera (2) ninguém me passa cartão... (1) Noite (1) o lado negro (1) o nosso futuro (1) oportunismo (1) os fins nunca justificam os meios (1) paranoia (1) parvoíces (1) pessoal (8) Pintura (135) podem citar-me (3) Poesia (30) política (10) política internacional (2) porque são mesmo o melhor do mundo (2) Portugal (3) Portugal de Abril (4) preciosa privacidade (6) preguiça (1) Programas de navegação (1) quase nove séculos de crise (3) quotidiano (2) resistir (2) resmunguices (7) respeite sempre os direitos de autor (1) Seleção AdC - Internet (1) Selecção AdC - Internet (2) serviço público AdC (1) Sexo (1) so(r)risos (5) Solidariedade (3) Taxa Socas dos Bosques (1) Teatro (1) Tecnologia (1) televisão (1) temos de nos revoltar (1) Terceiro Mundo (20) The Fab Four (1) trauteando (1) Um aperto no coração (1) umbigo (8) UNICEF (1) vai tudo abaixo (2) vaidades (7) vampiros (1) Verdadeiramente Grandes Portugueses (4) vidas (1) vou ali e já venho (1) YouTube (3)